ÒBÀRÀ

a nobreza e a vaidade

“Ọba ti ku, Ọba ni ade”
 

“Rei morto, Rei coroado”


- Provérbio Yorùbá

Igbasile por: Alexandre Nascimento

1 erva a gosto, 1 recipiente (bacia) e água morna.

Após escolher a erva ALECRIM por ser uma erva de fácil acesso e até porque eu encontro com muita facilidade e agilidade no quintal da casa de minha avó, foi feito todo o procedimento em aula: após inserir no recipiente a água quente e a erva, eu introduzi os dois pés, fazendo uma espécie de relaxamento e escalda pés, um mantra que foi para mim uma experiência ímpar, que eu ainda não havia vivenciado e que me trouxe essa consciência da importância com os cuidados com os pés, até por eles serem a porta de entrada da energia, uma fonte de conexão e captação enérgica da nossa ancestralidade.

O alecrim, é uma planta que exala um cheiro forte e agradável e que portanto após inserido na bacia com água quente e pressionado com os pés, seu cheiro tomou conta não só do corpo espacial como também do corpo físico, oque me arremeteu uma série de propriedades terapêuticas antidepressivas como o combate ao stress, a depressão, a dor de cabeça e a ansiedade.

Após o escalda pés, foi solicitado pelo tutor/professor que fosse colhido do recipiente uma folha/ramo da erva e que fosse depositado no papel, feito isso, olhando para a imagem impressano papel, a primeira coisa que me veio à cabeça foi a imagem deum Irukerê de Iansã ou Oxóssi, normalmente confeccionado em madeira com aplique de rabo de cavalo e búzios, paramenta que tem por finalidades: afastar os espíritos para o seu espaço sagrado, eliminar as adversidades de comunidade, e de atrair a fartura e prosperidade, algo que já vai corroborar com o Odu escolhido por mim no início do curso, que foi o 6-OBARÁ que tem tudo a ver com riqueza, saúde, prosperidade, amor, sucesso, vitória, e que por sua vez significa que a pessoa é alegre, generosa, farta e tem o caminho de PROSPERIDADE, desde que procure sempre buscar a positividade deste Odu. Ainda segundo o Odu ora em discussão, liderança e espiritualidade fazem parte de sua vida, o que novamente vai conversar com a minha vivência e a minha realidade de vida, até porquê segundo os Itãs, tem que gritar em voz alta, (pois Obará é surdo), para esse Odu de vaidadee prosperidade sem igual, então vale ressaltar que eu detenho uma porcentagem da audição perdida com o tempo de vida devido ao grande uso de fones de ouvido e som alto para ministrar aulas de dança, algo que ficou comprovado através de um estudo realizado pela ESC-ESEFIC que comparava a audição de profissionais da atividade física e da dança, onde ficou constatado que a maioria vai perdendo a normalidade da audição com o tempo devido seu exercício da profissão, passando então a ser uma pessoa digamos que “surda” é que precisa se comunicar mais através da escrita e principalmente através da expressão corporal e da leitura das expressões faciais, corporais bem como na leitura labial.

Caraca como uma “simples” dinâmica do curso de dança me arremeteu várias ramificações e vários outros assuntos que condizem com a minha realidade de vida pessoal, profissional e espiritual. Impressionante é lindo de se ver. #gratidão aos responsáveis em especial ao nosso tutor e ministrante de aula Luiz Anastácio.